Cavalos Puro Sangue Lusitano

Lagoa do Peixe

Puro Sangue Lusitano é uma raça de cavalos com origem em Portugal. É o cavalo de sela mais antigo do Mundo, sendo montado aproximadamente há mais de 5.000 anos. Os seus ancestrais são comuns aos da raça Sorraia e Árabe. Essas duas raças formam os denominados cavalos ibéricos, que evoluíram a partir de cavalos primitivos existentes na Península Ibérica dos quais se supõe descenderem directamente o pequeno grupo da raça Sorraia ainda existente. Pensa-se que essa raça primitiva foi cruzada com cavalos Brad oriundos do Norte de África e mais tarde tiveram também influência do Árabe.

Cavalo

O Puro Sangue Lusitano apresenta aptidão natural para alta escola( Haute École) e exercícios de ares altos, uma vez que põe os membros posteriores debaixo da massa com grande facilidade. Assim, o Lusitano revela-se não só no toureio e equitação clássica, mas também nas disciplinas equestres federadas como dressage, obstáculos, atrelagem e, em especial, equitação de trabalho, estando no mesmo patamar que os melhores especialistas da modalidade.

 

Conheça aqui as características morfológicas ideais que fazem do Cavalo Lusitano um sinônimo de beleza, nobreza e funcionalidade.

 

Tipo: Eumétrico (pesa cerca de 500 kg); mediolíneo; subconvexílineo (de formas arredondadas), de silhueta sempre inscritível num quadrado.

Altura: média na cernelha, aos 6 anos: Fêmeas 1,55m e Machos 1,60m

Pelagem: As mais apreciadas são a tordilha e a castanha, em todos os seus matizes.

Temperamento: Nobre, generoso e ardente, mas sempre dócil e sofredor.

Andamentos: Ágeis e elevados, projetando-se para frente, suaves e de grande comodidade para o cavaleiro.

Aptidão: Naturalmente concentrados, com grande predisposição para exercícios de Alta Escola, muita coragem e entusiasmo nos exercícios da gineta ― Combate, Caça, Toureio, Manejo de Gado etc.

Cabeça:
 Bem proporcionada, de comprimento médio, delgada e seca, de ramo mandibular pouco desenvolvido e faces relativamente compridas, de perfil levemente subconvexo, fronte levemente abaulada (sobressaindo entre as arcadas supraciliares); olhos sobre o elíptico, grandes e vivos, expressivos e confiantes. As orelhas são de comprimento médio, finas, delgadas e expressivas.

Pescoço:
 De comprimento médio, rodado, de crineira delgada, de ligação estreita à cabeça, largo na base, e bem inserido nas espáduas, saindo da cernelha sem depressão acentuada.

Cernelha:
 Bem destacada e extensa, numa transição suave entre o dorso e o pescoço, sempre mais levemente elevado que a garupa. Nos machos inteiros fica afogada em gordura, mas destaca-se sempre bem das espáduas.

Peitoral:
 De amplidão média, profundo e musculoso.

Costado:
 Bem desenvolvido, extenso e profundo; costelas levemente arqueadas, inseridas obliquamente na coluna vertebral, proporcionando um flanco curto e cheio.

Espáduas:
 Compridas, oblíquas e bem musculadas.

Dorso:
 Bem dirigido, com tendência horizontal, servindo de traço de união suave entre a cernelha e o rim.

Rim:
 Curto, largo, levemente convexo, bem ligado ao dorso e à garupa com a qual forma uma linha contínua e perfeitamente harmônica.

Garupa:
 Forte e arredondada, bem proporcionada, ligeiramente oblíqua, com comprimento e largura de dimensões idênticas, de perfil convexo, harmônico, e ponta das ancas pouco evidentes, conferindo à garupa uma secção transversal elíptica. A Cauda deve sair no segmento da curvatura da garupa, de crinas sedosas, longas e abundantes.

Membros:
 Braço bem musculado, harmoniosamente inclinado. Antebraço bem aprumado e musculado. Joelho seco e largo. Canelas sobre o comprido, secas e com os tendões bem destacados. Boletos secos, relativamente volumosos, e quase sem machinhos. Quartelas relativamente compridas e oblíquas. Cascos de boa constituição, bem conformados e proporcionados, de talões não muito abertos e coroa pouco evidente. Nádega curta e convexa. Coxa musculosa, sobre o curto, dirigida de modo que a rótula fique na vertical da ponta da anca. Perna sobre o comprido, colocando a ponta do curvilhão na vertical da ponta da nádega. Curvilhão largo, forte e seco. Os membros posteriores apresentam ângulos relativamente fechados.